Statistics

    Map

Twitter

Behavior of the Physiochemical Parameters of Raw Milk Stored in Temporary Horizontal Storage Tanks
( Vol-4,Issue-8,August 2017 )
Author(s):

Maria Regina Thomaz, Francieli DalCanton, Josiane Maria Muneron de Mello, Sideney Becker Onofre

Keywords:

Fat, milk, rest, storage, temporary horizontal tank.

Abstract:

Milk is a product with a high nutritional value, and it may appear in daily meals in its natural form or processed and transformed into various milk products. To be processed in industry, milk must have the proper quality conditions for its consumption, and the levels of its constituents must fall within the standards indicated by Normative Instruction no. 62 (2011). Due to its composition, its constituents tend to separate when at rest. In this context, the objective of this work was to evaluate the behavior of the physiochemical parameters of chilled raw milk stored in temporary horizontal storage tanks. With the milk at rest in the tank, collections were made of the milk at the times of 0, 60, 120, 180, 210, 240, 270 and 300 minutes. These collections were performed at two points of the tank: at the top collection point (Ps) and the bottom collection point (Pi) of the tank. After the collection of the samples, the following parameters were determined: fat (G), non-fatty solids (SNF), density (D), cryoscopic index (95), protein (P), lactose (L) and solids (SI). After completion of the tests, it was possible to verify that the solid constituents of the milk showed different behaviors, since the fat separated completely at 210 minutes promoting a stabilization in the separation of the fat. This same behavior was found for Density and the Cryoscopic Index. The other solid constituents of the milk didn't separate, maintaining themselves stable in both the bottom and top of the tank. As such, the conclusion can be drawn that fat is the only physiochemical compound that separates from milk at rest, thus affecting its Density and Cryoscopic Index.

ijaers doi crossref DOI:

10.22161/ijaers.4.8.3

Paper Statistics:
  • Total View : 202
  • Downloads : 19
  • Page No: 015-023
Cite this Article:
Show All (MLA | APA | Chicago | Harvard | IEEE | Bibtex)
Share:
References:

[1] Alberton, J. (2012). O estudo da qualidade do leite de amostras obtidas de tanques de resfriamento em três regiões do estado do Paraná. Arquivos de Ciências Veterinárias e Zoológicas da Unipar, 15(1): 5-12.
[2] Almeida, T. V. (2013). Parâmetros de qualidade do leite cru bovino: contagem bacteriana total e contagem de células somáticas. Goiânia: Seminários Aplicados.
[3] Antos, G., Lopes, M. A. (2014). Indicadores econômicos de sistemas de produção de leite em confinamento total com alto volume de produção diária. Ciência Animal Brasileira, 15(3): 239-248.
[4] Azevedo, C. S. (2014). Ocorrência de leite instável não ácido (LINA) na região da Grande Florianópolis-SC (Monografia de Graduação). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.
[5] Barbosa, R. S., Fischer, V., Ribeiro, M. E. R., Zanela, M. B., Stumpf, M. T., Kolling, G. J., Júnior, J. S., Barros, L. E., & Egito, A. S. (2012). Caracterização eletroforética de proteínas e estabilidade do leite em vacas submetidas à restrição alimentar. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 47(4): 621-628.
[6] Beloti, V., Ribeiro Júnior, J. C., Tamanini, R., Yamada, A. K., Cavaletti, L., Shecaira, C. de L., Novaes, D. G., & Silva, F. F. (2011). Qualidade microbiológica e físico-química do leite cru refrigerado produzido no município de Sapopema/PR. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, 9(16).
[7] Bittante, G., Penasa, M., & Cecchinato, A. (2012). Invited review: Genetics and modeling of milk coagulation properties. Journal of Dairy Science, 95(12): 6843-6870.
[8] Botaro, B., & Santos, M. V. (2016). Entendendo a variação da crioscopia do leite. Piracicaba: Milkpoint. Disponível em: https://www.milkpoint.com.br/. Acesso em: 20 de dezembro 2016.
[9] Brasil, R. B., Silva, M. A. P., Carvalho, T. S., Cabral, J. F., Nicolau, E. S., & Neves, R. B. S. (2012). Avaliação da qualidade do leite cru em função do tipo de ordenha e das condições de transporte e armazenamento. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, 389(67): 34-42.
[10] Brasil. (2002). Instrução Normativa n. 75, de 28 de outubro de 2003. Regulamento Técnico para Seleção, Projeto, Fabricação e Manutenção de Tanques Isotérmicos Destinados à Coleta e ao Transporte de Leite e Derivados Fluidos. Brasília, DF. Secretaria de Inspeção de Produto Animal. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.
[11] Brasil. (2011). Instrução Normativa n. 51, de 29 de dezembro de 2011, que altera o art. 1º, da Instrução Normativa MAPA nº 51, de 18 de setembro de 2002. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.
[12] Brasil. (2011). Instrução Normativa n. 62, de 29 de dezembro de 2011, que altera o art. 1º, da Instrução Normativa MAPA nº 51, de 18 de setembro de 2002. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.
[13] Buza, M. H., Holden, L. A., White, R. A., & Ishler, V. A. (2014). Evaluating the effect of ration composition on income over feed cost and milk yield. Journal of Dairy Science, 97(5): 3073-3080.
[14] Castro, A. D., & Luz, R. (2015). Avaliação da qualidade do leite in natura antes, pós 30 e 60 dias de congelamento (Monografia de Graduação Tecnológica). Centro Universitário Univates, Lajeado.
[15] Castro, P. S. (2005). Apostila de aulas práticas: tecnologia de leites e derivados. Goiás: Universidade Católica de Goiás.
[16] Costa, J. F. (2014). Atributos de qualidade associados à ocorrência de proteólise em leite cru granelizado (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora.
[17] Cunha, A. F., Parreira, D. S., Silva, S. Q., & Cerqueira, M. M. O. P. (2013). Efeitos do treinamento de transportadores de leite na determinação da qualidade do leite cru refrigerado. Acta Veterinaria Brasilica, 7(3): 241-246.
[18] Di Domenico, Q. (2009). Acompanhamento da rotina de análises do laboratório de recepção e leite: avaliação dos resultados das amostras de qualidade do leite de uma indústria de produtos lácteos (Monografia de Graduação). Universidade do Estado de Santa Catarina, Chapecó.
[19] Durr, J. W. (2012). Como produzir leite de qualidade (4. ed.). Brasília: SENAR.
[20] Durr, J. W., Fontaneli, R. S., & Moro, D. V. (2001). Determinação laboratorial dos componentes do leite. In F. H. D. González, J. W. Durr, & R. S. Fontaneli (Ed.), Uso do leite para monitorar a nutrição e o metabolismo de vacas leiteiras (p. 23-29). Porto Alegre: UFRGS.
[21] Florião, M. M. (2013). Boas práticas em bovinocultura leiteira com ênfase em sanidade preventiva. Niterói: Programa Rio Rural.
[22] Foschiera, J. L. (2004). Indústria de laticínios: industrialização do leite, análises, produção de derivados. Porto Alegre: Suliani.
[23] Glantz, M., Devold, T. G., Vegarud, G. E., Lindmark Månsson, H., Stålhammar, H., & Paulsson, M. (2010). Importance of casein micelle size and milk composition for milk gelation. Journal of Dairy Science, 93: 1444-1451.
[24] Gonzaga, N., Daniel, G. C., Mareze, J., Marioto, L. R. M., Tamanini, R., & Beloti, V. (2015). Evolução da qualidade microbiológica e físico-química do leite pasteurizado. Semina, 36(1): 47-54.
[25] Goodridge, L. D., Hill, A., & Lencki, R. (2004). A review of international standards and the scientific literature on farm milk bulk tank sampling protocols. Journal Dairy Science, 87: 3099-3104.
[26] Jackson, A. C. (1981). Agitation and sampling of tankers and storage tanks. Journal Society Dairy Technology, 34: 98-103.
[27] Koblitz, M. G. B. (2011). Matérias-primas alimentícias: composição e controle de qualidade. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.
[28] Liu, S., Zhang, R., Kang, R., Meng, J., & Ao, C. (2016). Milk fatty acids profiles and milk production from dairy cows fed different forage quality diets. Animal Nutrition, 2: 329-333.
[29] Machado, P. F., Pereira, A. R., & Sarries, G. A. (2000). Composição do leite de tanques de rebanhos brasileiros distribuídos segundo sua contagem de células somáticas. Revista Brasileira de Zootecnia, 29(6): 1883-1886.
[30] Mendes, C. G. (2010). Análises físico-químicas e pesquisa de fraude no leite informal comercializado no município de Mossoró, RN. Ciência Animal Brasileira, 11(2): 349-356.
[31] Moura, J. F. P., Pimenta Filho, E. C., Gonzaga Neto, S., & Candido, E. P. (2013). Avaliação tecnológica dos sistemas de produção de leite bovino no Cariri da Paraíba. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, 14(1): 121-131.
[32] Oliveira, E. N. A., & Santos, D. C. (2012). Avaliação da qualidade físico-química de leites pasteurizados. Revista do Instituto Adolfo Lutz, 71(1): 93-197.
[33] Ponce, P. (2009). Composición láctea y SUS interrelaciones: expresión genética, nutricional, fisiológica y metabólica de La lactación en las condiciones del trópico. Revista Salud Animal, 31(2): 69-76.
[34] Ponsano, E. G. H., Perri, S. H. V., Madureira, F. C. P., Paulino, R. Z., & Camossi, L. G. (2007). Correlação entre métodos tradicionais e espectroscopia de ultra-som na determinação de características físico-químicas do leite. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, 59(4): 1052-1057.
[35] Rezende, E. S. J., Pinto, S. M., Pereira, J. L. A. R., & Labigalini, I. (2012). Qualidade higiênico-sanitária do leite cru em três mesorregiões de Minas Gerais. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, 67(387): 64-69.
[36] Robim, M. S., Cortez, M. A. S., Silva, A. C. O., Torres Filho, R. A., Gemal, N. H., & Nogueira, E. B. (2012). Pesquisa de fraude no leite UAT integral comercializado no estado do Rio de Janeiro e comparação entre os métodos de análises físicoquímicas oficiais e o método de ultrassom. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, 67(389): 43-50.
[37] Rowbotham, R. F., & Ruegg, P. L. (2016). Association of bedding types with management practices and indicators of milk quality on larger Wisconsin dairy farms. Journal of Dairy Science, 98(11): 7865-7885.
[38] Santos, N. A. F., Lacerda, L. M., & Ribeiro, A. C. (2011). Avaliação da composição e qualidade físico-química do leite pasteurizado padronizado comercializado na cidade de São Luís, MA. Arquivos do Instituto Biológico, 78(1): 109-113.
[39] Servello, V., Hill, A. R., & Lencki, R. W. (2004). Towards an optimum mixing protocol for on-farm bulk milk sampling. Journal Dairy Science, 87(9): 2846-2853.
[40] Silva, M. A. P. (2009). Influência do transporte a granel na qualidade do leite cru refrigerado. Revista do Instituto Adolfo Lutz, 68(3): 381-387.
[41] Tonini, C. B. (2014). Avaliação da qualidade do leite e caracterização de laticínios do estado do Espírito Santo (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo, Alegre.
[42] Teixeira, N. M., Freitas, A. F., & Barra, R. B. (2003). Influência de fatores de meio ambiente na variação mensal da composição e contagem de células somáticas do leite em rebanhos no Estado de Minas Gerais. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, 55(4): 491-499.
[43] Tronco, M. (2008). Manual para Inspeção da Qualidade do Leite (3. ed.). Santa Maria: UFSM.
[44] Venturoso, P. C., Almeida, K. E., Rodrigues, A. M., Damin, M. R., & Oliveira, M. N. (2007). Determinação da composição físico-química de produtos lácteos: estudo exploratório de comparação dos resultados obtidos por metodologia oficial e por ultra-som. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, 43(4): 123-129.
[45] Ye, R., & Harte, F. (2013). Casein maps: effect of ethanol, pH, temperature, and CaCl2 on the particle size of reconstituted casein micelles. Journal of Dairy Science, 96(2): 799-805.
[46] Wangdi, J., Vijchulata, P., & Chairatanayuth, P. (2014). Gravity Separation Characteristics of Cows’ Raw Milk Fat Globules. International Journal of Innovation and Applied Research, 2(10): 13-22.