Statistics

    Map

Twitter

Basic Sanitation in Porto Velho: the worst Brazilian Capital in this Area
( Vol-6,Issue-4,April 2019 ) OPEN ACCESS
Author(s):

Kleber Lúcio Borges

Keywords:

sanitation, Porto Velho.

Abstract:

Basic sanitation, consisting of water supply, sanitary sewage, stormwater drainage and solid waste management, is fundamental for the quality of life of the population, reduction of public health expenditures, as well as contributing to the attraction of investments. In Brazil, the progress of these services to reach the goal of universalization is modest and Porto Velho, capital of Rondônia and located in the Brazilian Amazon, is against this advance. Its indicators show that among the 100 largest Brazilian cities in terms of population (including all capitals), its ranking of sanitation is the worst of all. This paper presents several data on sanitation in Porto Velho, comparing the evolution of its sanitation ranking and its Gross Domestic Product (GDP) ranking from 2003 to 2016, the consequences of the deficiency of these services and analyzes of current investments compared to the goals established for the universalization of sanitation in the municipality. Driven in recent years, mainly by the construction of two large hydropower plants, the population and its GDP grew, but sanitation did not follow this evolution as it should. The conclusion was that there are several problems due to the deficiency of sanitation in the city and the investments planned will not be enough to reach the goal of universalization, needing to raise more resources and prioritize the effective execution of the works contracted.

ijaers doi crossref DOI:

10.22161/ijaers.6.4.7

Paper Statistics:
  • Total View : 99
  • Downloads : 18
  • Page No: 066-073
Cite this Article:
MLA
Kleber Lúcio Borges et al ."Basic Sanitation in Porto Velho: the worst Brazilian Capital in this Area". International Journal of Advanced Engineering Research and Science(ISSN : 2349-6495(P) | 2456-1908(O)),vol 6, no. 4, 2019, pp.066-073 AI Publications, doi:10.22161/ijaers.6.4.7
APA
Kleber Lúcio Borges(2019).Basic Sanitation in Porto Velho: the worst Brazilian Capital in this Area. International Journal of Advanced Engineering Research and Science(ISSN : 2349-6495(P) | 2456-1908(O)),6(4), 066-073. http://dx.doi.org/10.22161/ijaers.6.4.7
Chicago
Kleber Lúcio Borges. 2019,"Basic Sanitation in Porto Velho: the worst Brazilian Capital in this Area". International Journal of Advanced Engineering Research and Science(ISSN : 2349-6495(P) | 2456-1908(O)).6(4):066-073. Doi: 10.22161/ijaers.6.4.7
Harvard
Kleber Lúcio Borges. 2019,Basic Sanitation in Porto Velho: the worst Brazilian Capital in this Area, International Journal of Advanced Engineering Research and Science(ISSN : 2349-6495(P) | 2456-1908(O)).6(4), pp:066-073
IEEE
Kleber Lúcio Borges."Basic Sanitation in Porto Velho: the worst Brazilian Capital in this Area", International Journal of Advanced Engineering Research and Science(ISSN : 2349-6495(P) | 2456-1908(O)),vol.6,no. 4, pp.066-073,2019.
Bibtex
@article {kleberlúcioborges2019basic,
title={Basic Sanitation in Porto Velho: the worst Brazilian Capital in this Area},
author={Kleber Lúcio Borges},
journal={International Journal of Advanced Engineering Research and Science},
volume={6},
year= {2019},
}
Share:
References:

[1] OMS – ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (1948), Carta das Nações Unidas. Site oficial: https://nacoesunidas.org/, Acessada em 01/02/2019.
[2] BRASIL. (2007). Lei 11.445 – Estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm, acessada em 01/02/2019.
[3] BRASIL (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm, acessada em 01/02/2019.
[4] GARCIA, R. S. (2014), Saneamento: oportunidades e ações para a universalização. Confederação Nacional das Indústrias. Brasília.
[5] ONU BRASIL – ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL (2014), OMS: Para cada dólar investido em água e saneamento, economiza-se 4,3 dólares em saúde global. Disponível em: https://nacoesunidas.org/oms-para-cada-dolar-investido-em-agua-e-saneamento-economiza-se-43-dolares-em-saude-global/, acessado em 01/02/2019.
[6] JÚNIA, R. (2011), Brasileiros ainda adoecem por falta de saneamento básico. Disponível em: http://www.fiocruz.br/omsambiental/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=262&sid=13, acessado em 10/02/2019.
[7] SNIS – SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO (2019), Diagnóstico dos serviços de água e esgoto – ano 2017. Ministério das Cidades, Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. Brasília.
[8] IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (2019), Portal Cidades. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ro/porto-velho/panorama, acessado em 10/02/2019.
[9] ABRELPE – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS (2018), Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil – 2017. São Paulo, 74p.
[10] SNIS – SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO (2019), Diagnóstico do manejo de resíduos sólidos urbanos – ano 2017. Ministério das Cidades, Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. Brasília.
[11] TUCCI, C. E. M (2003), Drenagem urbana. Ciência e Cultura. v.55, n.4, São Paulo.
[12] IHU – INSTITUTO HUMANITAS UNISINOS (2015), Meta de universalização do saneamento básico está ameaçada. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/544132-meta-de-universalizacao-do-saneamento-basico-esta-ameacada-entrevista-especial-com-edison-carlos, acessada em 01/02/2019.
[13] SNIS – SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO (2019), Diagnóstico de drenagem e manejo de águas pluviais – ano 2017. Ministério das Cidades, Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. Brasília.
[14] CREA-RO – CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DE RONDÔNIA (2014), Rondon: do sertão às usinas – uma história de coragem e luta pelo progresso. Disponível em: http://www.crearo.org.br/noticia.php?q=rondon:-do-sertao-as-usinas-uma-historia-de-coragem-e-luta-pelo-progresso, acessado em 01/02/2019.
[15] BARCELOS, G. DA S. (2015), Cidade imaginária e cidade real: um estudo urbanístico sobre Porto Velho a partir do Plano de Ação Imediata de 1972. UNIR – Universidade Federal de Rondônia. Departamento de Geografia. Dissertação de mestrado. Porto Velho. 140p.
[16] PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO VELHO (2019), Site oficial. Disponível em: https://www.portovelho.ro.gov.br/#, acessado em 05/02/2019.
[17] CAMPOS, J. C. V.; FILHO, E. P. DA S.; OLIVEIRA, I. R. (2003), Contaminação do aquífero Jaciparaná na cidade de Porto Velho (RO). CPRM – Serviço Geológico do Brasil, Porto Velho.
[18] RODRIGUES, E. R.D.; SANTOS, J. P.; MARTINS, A. S.; BASTOS, W. R.; CARVALHO, D. P.; HOLANDA, I. B. B.; ALMEIDA, R.; NASCIMENTO, E. L. (2008), Avaliação espacial da qualidade da água subterrânea na área urbana de Porto Velho – Rondônia – Brasil. XV Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas. Disponível em: https://aguassubterraneas.abas.org/asubterraneas/article/view/23388, acessado em 08/02/2019.
[19] INSTITUTO TRATA BRASIL (2017), A diarreia como problema da falta de saneamento básico. Disponível em: http://www.tratabrasil.org.br/blog/2017/08/29/diarreia-problema-da-falta-de-saneamento/, acessado em 09/02/2019.
[20] SIPAM – SISTEMA DE PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA (2013), Mapeamento dos igarapés de Porto Velho. Convênio com Prefeitura de Porto Velho. Relatório. Porto Velho.
[21] SOUZA, N. B. M. DE; CORRÊA, A. C. S.; BERNINI, H.; CHECCIA, T. (2011), Classificação de risco em áreas sujeitas à inundação nas bacias urbanas dos igarapés Grande e Santa Bárbara – Porto Velho – RO. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos. Maceió.
[22] MARTAROLE, M. R. (2014), Áreas com potencial de alagamento em parte do entorno da cidade de Porto Velho/RO. UNIR – Universidade Federal de Rondônia. Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente. Dissertação de mestrado. Porto Velho. 72p.
[23] ANA – AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (2013), Atlas de vulnerabilidade de inundações – Estado de Rondônia. Ministério do Meio Ambiente. Brasília.
[24] GAMBETTI, D. L. G. (2014), A cheia do Rio Madeira: causas e consequências na UHE Santo Antônio e região. 6th International Conference on Flood Management, São Paulo.
[25] CGU – CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO (2014), Relatório de Fiscalização nº 201408699 - Diagnóstico situacional dos efeitos da cheia do Rio Madeira em Porto Velho, Rondônia. Secretaria Federal de Controle Interno. Brasília. 108p.
[26] IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (2017), A organização coletiva de catadores de material reciclável no brasil: dilemas e potencialidades sob a ótica da economia solidária. Rio de Janeiro.
[27] CREA-PR – CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO PARANÁ (2010), Guia para elaboração do projeto de gerenciamento de resíduos da construção civil. Curitiba. 31p.
[28] MINISTÉRIO DAS CIDADES (2013), PLANSAB – Plano Nacional de Saneamento Básico. Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. Brasília. 173p.
[29] MINISTÉRIO DAS CIDADES (2007), Estudos Técnicos para o Planejamento dos Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário no Estado de Rondônia. PMSS – Programa de Modernização do Setor de Saneamento. Tomo I: resumo executivo. Brasília. 57p.
[30] INSTITUTO TRATA BRASIL (2014), Benefícios econômicos da expansão do saneamento no estado de Rondônia. São Paulo. 60p.
[31] MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO (2019), PAC – Programa de Aceleração do Crescimento – Saneamento – Estado de Rondônia. Disponível em: http://www.pac.gov.br/infraestrutura-social-e-urbana/saneamento/ro, acessado em 10/02/2019.
[32] INSTITUTO TRATA BRASIL (2018), Ranking do saneamento 2017. São Paulo.